sexta-feira, 16 de julho de 2010

Passos para a solidão..






Enquanto caminhava pela rua, era presenteada pelo brilho da lua que insistia em me seguir. A rua estava deserta.
Só se ouvia o barulho do vento que batia gelado em meu rosto. Sentia meu corpo frio. Por dentro e por fora.
Abaixei minha cabeça na tentativa de fugir de uma rajada de vento que soprava ainda mais forte e congelante.
Ao levantar meu olhar, te vi. Estava ali, parada. Naquele mesmo lugar. Na mesma calçada que me remetia tantas lembranças.
A calçada em que fora palco de brincadeiras e corridas animadas de bicicleta.
E você nem se importava se eu ainda usava rodinhas..
Abria os braços, um sorriso e me esperava com palavras de incentivo.
Eu já não me importava com os vários tombos.
Levantava, batia as mãos nos joelhos, tirava a poeira e seguia sorrindo para mais uma tentativa.
Você me olhava orgulhosa e meu peito se enchia de ternura.
E foi em uma tarde ensolarada, após várias quedas e tentativas, que eu aprendi a andar sem rodinhas..
Pedalava a bicicleta e equilibrava meu próprio peso. Sozinha. Sem tombos.. Sem machucados.
O abraço que ganhei recompensou cada segundo de esforço. Eu me sentia protegida nos teus braços.
Balancei a cabeça na tentativa de expulsar os pensamentos e lembranças que me assaltavam a cada passo.
Em vão.. Eu continuava te olhando. Recordando.. Me torturando.
A vontade de correr por aquela calçada, pular em seus braços, me aninhar e sentir protegida novamente era imensa.
Mas você não abriu os braços, não sorriu e nem me esperou.
Você saiu da calçada e atravessou a rua.
Você está sempre atravessando a rua e aumentando a distância entre nós.
Senti a mágoa congelar minha nostalgia, endurecendo cada traço do meu rosto.
O coração com hipotermia, fez virar gelo aquela lágrima solitária que tentava, sem sucesso, derreter meu orgulho.
Entrei em casa e deixei que as lembranças daquele tempo se espalhassem com o vento,
seguindo os passos que trilhei e encontrando o abrigo no abraço da solidão.

Um comentário:

Rafinha disse...

Hora de marcar minha presença por aqui, hehe!!!! Mari sempre surpreendendo com seus textos antes não revelados, kkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!